Práticas Laboratorias em Biologia Vegetal

Início » AULA 26 -VELOCIDADE DE EMBEBIÇÃO DE ÁGUA EM SEMENTES DESIDRATADAS

AULA 26 -VELOCIDADE DE EMBEBIÇÃO DE ÁGUA EM SEMENTES DESIDRATADAS

Introdução

O potencial hídrico é o somatório das forças que atuam no fluxo de água entre diferentes sistemas biológicos. A diferença de potencial hídrico entre as sementes desidratadas e o meio circundante é, em geral, elevada, promovendo fortemente a hidratação de sementes, tão logo entrem em contato com a água. Para termos uma ideia disso, basta lembrar que uma semente desidratada costuma apresentar potenciais hídricos muito negativos, na ordem de -70 MPa, o qual se comparado ao potencial hídrico da água pura (0 MPa) já dá uma boa ideia de quão forte é a influência do potencial hídrico nas sementes. Essa aula tem o objetivo de demostrar ao aluno quão veloz é o processo de embebição de água por sementes desidratas e mostrar que a velocidade de embebição sofre influência da dureza e da natureza do tegumento, bem como no volume e natureza do endosperma das sementes.


Objetivos específicos desta prática

Demonstrar o fenômeno de embebição de sementes e atrelar esse fenômeno com a natureza fisiológica das sementes;

Demonstrar que a viabilidade das sementes pode ser testada por meio da sua capacidade de exudação de lixiviados na água de embebição.


Procedimentos

Primeiramente selecione sementes de diferentes naturezas e durezas de tegumento. Monte 5 grupos de 10 sementes para cada espécie que se deseja estudar ou utilize as espécies fornecidas pelo monitor/professor.

fig_1-1

Figura 1. Sementes de Anadenanthera pavonina selecionadas para o estudo


Na sequência insira em cada copinho cerca de 10 sementes homogêneas e pese-as em balança de precisão.

fig_2-1

Figura 2. Medição do peso inicial dos conjuntos de sementes


Após mensurar a massa dos conjuntos, insira cerca de 50 mL de água em cada copinho e aguarde os tempos determinados pelo professor. Sugere-se 0,5, 1, 2, 4, 24, 48, 72 e 96 horas, mas estes tempos podem variar da necessidade de concluir a prática num determinado espaço de tempo ou da natureza das sementes.

A cada tempo determinado pelo professor, as sementes devem ser retiradas da água de embebição, enxugadas com papel absorvedor e pesadas novamente. Na água de embebição deve ser medida, ainda, a condutividade elétrica por meio de um condutivímetro portátil.

fig_3

Figura 3. Condutivímetro portátil

 

 

Ao final organize os dados em tabelas e gráficos e discuta os dados com os demais grupos.

 

 

 

 


Resultados esperados

Na figura 4 é possível verificar que a espécie Calotropis procera e a espécie Helianthus annuus embeberam mais água do que as espécies Allamanda blanchetti e principalmente a espécie Annona muricata. Ademais a velocidade de embebição da espécie Calotropis procera foi a mais elevada entre as espécies estudadas. Isso se deve a natureza porosa dessa semente e a grande quantidade de amido de reserva, uma substância altamente higroscópica.

fig_4-1

Figura 4. Curvas de embebição de sementes de Calotropis procera (A), Annona muricata (B), Helianthus annuus (C) e Allamanda blanchetti (D).


Entretanto, antes de se fazer o gráfico, que expressa o volume de água embebida, devemos calculá-las. Para isso, utilize a fórmula a seguir:

equacao-1

Onde: Pesofinal é o peso no tempo de análise e o Pesoinicial é o peso antes de iniciada a embebição

Vamos ver um exemplo:

tab_1

No exemplo acima vamos calcular a embebição nos dois tempos, utilizando os dados da Aroeira (Quadro 1)

equacao-2

 

Verificamos, então, que o volume de água embebida deve se elevar a medida que o tempo passa. Entretanto, chegará um tempo em que o volume de água embebida será tão pequeno que se aproxima de zero em relação ao tempo anterior. Neste momento dizemos que a semente atingiu sua máxima hidratação.


Avançar para a próxima aula prática                                        Retornar a prática anterior                                    Retornar ao início do capítulo
%d blogueiros gostam disto: