Práticas Laboratorias em Biologia Vegetal

Início » AULA 31 – EXTRAÇÃO E QUANTIFICAÇÃO DO TEOR DE ÓLEOS ESSENCIAIS EM ESPÉCIES AROMÁTICAS

AULA 31 – EXTRAÇÃO E QUANTIFICAÇÃO DO TEOR DE ÓLEOS ESSENCIAIS EM ESPÉCIES AROMÁTICAS

Introdução

Os óleos essenciais são compostos naturais, voláteis e complexos, caracterizados por um forte odor. São sintetizados por plantas aromáticas durante o metabolismo secundário. Os óleos essenciais são extraídos de plantas através da técnica de arraste a vapor, na grande maioria das vezes, e também pela prensagem do pericarpo de frutos cítricos que no Brasil dominam o mercado de exportação. São compostos principalmente de mono e sesquiterpenos e de fenilpropanoides, metabólitos que conferem suas características organolépticas. Flores, folhas, cascas, rizomas e frutos são matérias-primas para sua produção, a exemplo dos óleos essenciais de rosas, eucalipto, canela, gengibre e laranja, respectivamente. Possuem grande aplicação na perfumaria, cosmética, alimentos e como coadjuvantes em medicamentos. São empregados principalmente como aromas, fragrâncias, fixadores de fragrâncias, em composições farmacêuticas e orais e comercializados na sua forma bruta ou beneficiada, fornecendo substâncias purificadas como o limoneno, citral, citronelal, eugenol, mentol e safrol. Neste sentido, essa aula tem o objetivo de mostrar o passo a passo do processo extrativo do óleo essencial, bem como a forma de quantificar o rendimento do óleo.

______________________________________________________________________________________________

Objetivo específico desta prática

Caracterizar o processo extração óleos essenciais, bem como o cálculo do rendimento (%).

______________________________________________________________________________________________

Procedimentos

Pese aproximadamente 10 g de folhas frescas, triture-as em um moinho de facas ou liquidificador com água destilada e anote o peso do material triturado (Figura 1).

fig_1

Figura 1: Processo de trituração de folhas para extração de compostos secundários


Coloque as folhas trituradas num balão de fundo redondo de 1 L e adicione água destilada até cobrir todo o material vegetal. Monte o sistema de extração (manta aquecedora a 100°C, extrator Clevenger e condensadores sempre com água destilada gelada circulando). Acompanhe o processo para que possa retirar a água decantada, recolhendo-a em um becker, deixando apenas o óleo no extrator (Figura 2).

fig_2

Figura 2: Extração de óleo essencial por hidrodestilação em aparelho tipo Clevenger


Desligar a manta aquecedora após 4 h de extração e espere o balão esfriar para desacoplá-lo do hidrodestilador. Anote o volume do óleo obtido. Filtre o óleo utilizando um funil com papel filtro e sulfato de sódio anidro para remover o excesso de água. Use n-hexano para fazer a lavagem do óleo durante a filtração e recolha-o em um tubo de penicilina. Elimine o excesso de n-hexano em corrente de ar com nitrogênio gasoso. Acondicione o óleo em vidro âmbar (ou penicilina envolto com papel alumínio) em um freezer comercial a -10º C.

fig_3

Figura 3: Filtração do óleo essencial (A) com sulfato de sódio anidro (B) e armazenamento do óleo em vidro âmbar (C) e acondicionamento sob refrigeração (D)


O rendimento dos óleos essenciais é definido como o quociente do peso do óleo recolhido (Figura 4) e o peso seco do material vegetal extraído (Figura 5). Desta forma, calcule o teor de óleo (%) das folhas através da seguinte fórmula:

equacao

onde:

PCO = peso do frasco com óleo

PSO = peso do frasco sem óleo

PF = peso fresco das folhas

fig_4

Figura 4: Peso do óleo recolhido


fig_5

Figura 5: Peso do material vegetal extraído

______________________________________________________________________________________________

Resultados esperados

Nesta prática aprendemos a extrair e a quantificar o teor de óleos essenciais a partir de folhas frescas de diferentes espécies vegetais. A partir das amostras de óleos extraídas será possível analisar as diferenças dos rendimentos obtidos (%), cor e cheiro dos diferentes tipos de óleos presentes nos vegetais. Ao final, construa uma tabela com as características observadas.


Avançar para a próxima aula prática                                       Retornar a prática anterior                                     Retornar ao início do capítulo

 

%d blogueiros gostam disto: