Práticas Laboratorias em Biologia Vegetal

Início » AULA 38 – DIVERSIDADE ESTRUTURAL DE FOLHAS

AULA 38 – DIVERSIDADE ESTRUTURAL DE FOLHAS

Introdução

Essa prática também envolve cortes anatômicos que podem ser realizados em parafina, resina, micrótomo de mesa ou a mão livre (Ver detalhes na Aula Prática 37). Através da anatomia foliar é possível evidenciar os caracteres xeromórficos, hidromórficos ou mesomórficos em relação ao ambiente em que as plantas vivem. A folha é o órgão que mais responde a esta variação do ambiente. Por isso, através da anatomia foliar será possível explorar cada um destes caracteres.


Objetivos específicos desta prática

Evidenciar a diversidade estrutural de folhas e sua relação com o ambiente.


Procedimentos e Resultados esperados

Selecionar cortes transversais do limbo de espécies de vários ambientes/fitosionomias/biomas e explorar os caracteres evidenciados (Figuras 1-9). A partir disso, realizar várias discussões relacionando estrutura, ambiente e função.

Fig_1 (6).jpg

Figura 1. Anatomia foliar de Avicennia germinans (acanthaceae) coletadas no mangue de anchieta – ES. A e C. Vista geral da folha, com a nervura mediana e sem a nervura mediana, respectivamente. B. Destaque à nervura mediana. D. Destaque ao tricoma glandular (glândula de sal).  A. Barra= 200 micrômetros; B-C= 100 micrômetros; D= 30 micrômetros. Eab: epiderme da face abaxial; Ead: epiderme da face adaxial; Fv: feixe vascular; Pl= parênquima lacunoso; Pp: parênquima paliçádico

Fig_2 (5).jpg

Figura 2. Anatomia foliar de avicennia germinans (acanthaceae) do mangue de anchieta-es, cortes transversais, em parafina. A. Vista geral da folha. B e C. Destaque ao tecido de cicatrização.  A. Barra= 100 micrômetros; B= 50 micrômetros; C= 30 micrômetros. Eab: epiderme da face abaxial; Ead: epiderme da face adaxial; Pl: parênquima lacunoso; Pp: parênquima paliçádico; Tc: tecido de cicatrização; Tg: tricoma glandular

Fig_3 (4).jpg

Figura 3. Anatomia foliar de avicennia shaureriana (acanthaceae) do mangue de anchieta-es, cortes transversais, em parafina. A. Vista geral da folha. B e C. Vista geral com destaque ao mesofilo. C. Destaque ao tricoma glandular (glândula de sal).  A. Barra= 200 micrômetros; B= 50 micrômetros; C= 30 micrômetros. Eab: epiderme da face abaxial; Ead: epiderme da face adaxial; Pl: parênquima lacunoso; Pp: parênquima paliçádico; Tg: tricoma glandular

Fig_4 (4).jpg

Figura 4. Anatomia foliar de vellozia piresiana (velloziaceae), do parque nacional da serra do cipó, cortes transversais, em parafina. A. Vista geral da folha. B. Detalhe do estômato no interior da fenda. C. Margem foliar com destaque às fibras.   A. Barra= 200 micrômetros; B= 50 micrômetros; C= 30 micrômetros. Eab: epiderme da face abaxial; Ead: epiderme da face adaxial; Es: estômato; Fe: fenda; Fi: fibra

Fig_5 (2).jpg

Figura 5. Anatomia foliar de vellozia gigantea (velloziaceae), do parque nacional da serra do cipó, cortes transversais, em parafina. A. Vista geral da folha. B. Detalhe do estômato no interior da fenda e do feixe vascular. Barras= 200 micrômetros. Eab: epiderme da face abaxial; Ead: epiderme da face adaxial; Es: estômato; Bfv: bainha do feixe vascular; Fi: fibra

Fig_6 (2).jpg

Figura 6. Anatomia foliar de vellozia gigantea e vellozia sp. (vellociaceae), do parque nacional da serra do cipó e do parque estadual do itacolomi, respectivamente. Cortes transversais, em parafina. A-B. Vista geral da folha. Barras= 200 micrômetros. Eab: epiderme da face abaxial; Ead: epiderme da face adaxia

fig_7-2

Figura 7. Anatomia foliar de vrosimum sp. (moraceae), do cerrado do alto paranaíba (mg), cortes transversais, em resina. A. Vista geral da folha. B. Nervura mediana. C. Vista geral da folha com destaque à região do mesofilo. D. Detalhe das criptas com os tricomas tectores. A. Barra= 200 micrômetros; B-C= 50 micrômetros; D= 30 micrômetros. Cr: cripta; Eab: epiderme da face abaxial; Ead: epiderme da face adaxial; Ebfv: extensão da bainha do feixe vascular; Fv: feixe vascular; Pl: parênquima lacunoso; Pp: parênquima paliçádico; Tt: tricoma tector

Fig_8 (2).jpg

Figura 8. Anatomia foliar de croton blanchetianus (euphorbiaceae), de serra talhada, sertão de pernambuco, caatinga, cortes transversais, em resina. a. Vista geral da folha. B. Destaque à nervura mediana e parênquima clorofiliano. C. Destaque ao tricoma tector. A. Barra= 200 micrômetros; B-C= 50 micrômetros. Eab: epiderme da face abaxial; Ead: epiderme da face adaxial; Pl: parênquima lacunoso; Pp: parênquima paliçádico; Tt: tricoma tector

Fig_9 (2).jpg

Figura 9. Anatomia foliar de poincianella pyramidalis (fabaceae), de serra talhada, sertão de pernambuco, caatinga, cortes transversais em resina. a. Vista geral da folha. B. Vista geral com destaque ao mesofilo. A. Barra= 50 micrômetros; B= 100 micrômetros. Eab: epiderme da face abaxial; Ead: epiderme da face adaxial; Es: estômato; Pl: parênquima lacunoso; Pp: parênquima paliçádico; Tt: tricoma tector


Avançar para a próxima aula prática                                                Retornar a prática anterior                            Retornar ao início do capítulo
%d blogueiros gostam disto: